segunda-feira, 14 de julho de 2008

Tempestade

Ventos fortes, Escuridão que cega os olhos,
Ouço os trovões cada vez mais perto,
Os raios parecem partir em minha direção.
Não sei como parar esse vento,
Esse tempo.
Nuvens carregadas que não cessam,
Nem um filete de Sol.
O guarda-chuva ja voou pra longe,
E aí vem outra enchurrada.
Não sei como parar esse vento,
Esse tempo.
A chuva vem forte,
Fria,
Não é chuva de verão..
É chuva de lágrimas.
Não sei como parar esse vento,
Esse tempo.

4 comentários:

Fada disse...

Olá.
Estava visitando seu pedacinho e adorei.
Beijo grande

CONVIDO VC A CONHECER
WWW.CULTURAINUTIL.COM.BR
WWW.FADAMUTANTE.BLOGSPOT.COM

Mary West disse...

Adoro tempestades, elas sempre dão um jeito de levar tudo embora.

Rui Felipe disse...

Essas tempestades sao reais, em outro mundo, em outro plano, é tudo aquilo que vc vê!!!!
Lindas e perigosas...

Gábi disse...

tento acreditar no cliche que depois da tempestade vem a bonança.

Quando a tua chegar, me avisa?

=*