terça-feira, 20 de maio de 2008

Voar...

Doce tarde de admirável brilho de Sol;
Brilho que docemente cega meus olhos.
Após muito tempo, ergo meus olhos ao seu encontro.
Sinto minha alma dançando no espaço;
Aos meus pés...
Espelho d'água que reflete.
Até tenho conciência que meus olhos são bonitos.
Quase nunca paro para admirá-los.
Sinto o sopro do vento em minhas asas;
Meus cabelos dançam em meio a brisa;
É tempo de liberdade.
(...)
Sinto que o chão se aproxima.
Abro os olhos
Não há mais brisa,
Nem Sol,
só escuridão.
Meu espírito continua preso.
Preso no tempo, na incessável rotina
Que cega os olhos;
Prende a alma...
Mas nunca,
Aquela vontade de voar.

5 comentários:

Thalita Lucas disse...

Nossa gostei desse texto...
Aqui aproveitei que vc indicou o filme e fui assisti-lo segunda, adorei!!!

Thalita Lucas disse...

Ah eu já o assisti tbém e gostei mto... Agora tem um filme q sou apaixonada, não sei se vai fazer o seu estilo, mas procura assistir Orgulho e Preconceito, assista tudo do filme até os extras pq lá tem o final alternativo. Acho que vc vai gostar.

O Profeta disse...

Uma voz quebra o silêncio
Um espelho retêm a beleza
Vi com os olhos fechados
A fúria da minha incerteza

Fecham-se as janelas de poente
Este nevoeiro galga o pensamento
Uma semente solta num ribeiro
Corre no incerto de cada momento


Deixo-te uma doce acalmia


Mágico beijo

Mary West disse...

Voar para fugir? Naum!! Voar para sentir algo mais na vida! :D

Gábi disse...

É tempo de liberdade.

Seus textos sempre me inspiram :)